domingo, 25 de julho de 2010

Nossos casos – PIOMETRA em CÃES

Bianca, poodle de 11 anos, chegou à clínica com secreção vaginal, distensão abdominal, hipotermia e ingestão de bastante líquido. Proprietária relatou cio há dois meses. Animal foi estabilizada com administração de fluido endovenoso, medicada com analgésico, antiinflamatório e antibiótico e submetida a cirurgia para remoção do útero e ovários.

Curativo abdominal no pós operatório.


Assim como a Bianca, várias outras cadelas, a maioria com idade avançada, foram atendidas e submetidas ao tratamento cirúrgico.

E o que encontramos foi o útero distendido e repleto de material purulento, como visto abaixo:


Fonte: Foto de República dos Animais Ltda.


Essa enfermidade é caracterizada por hiperplasia endometrial, inflamação uterina e subseqüente acúmulo de secreção purulenta na cavidade uterina, que resulta em bacteremia e toxemia moderada a severa com risco de vida se não tratada. Pode ocorrer em cadelas de qualquer idade, mas é mais comum em cadelas de meia idade ou idosas, com mais de 6 anos de idade. Os sinais clínicos ocorrem normalmente um a dois meses após o cio.

Os sinais clínicos dependem do tipo da piometra. Observam-se sinais clínicos sistêmicos brandos notando-se um corrimento de aparência variável na vagina, na pele e pelo sob a cauda e até nos locais onde a cadela tenha se deitado ou sentado. Podem ainda notar-se febre, letargia, anorexia e depressão. Na de cervix fechada, o pús que se forma não é drenado para o exterior. Acumula-se no útero, causando distensão abdominal. As bactérias liberam toxinas que são absorvidas para a circulação. Nestes casos, as cadelas ficam gravemente doentes em pouco tempo. Perdem o apetite e ficam apáticas e deprimidas. Podem ocorrer vômitos e diarréia.

A produção de urina aumenta e as cadelas bebem água em excesso para compensar as perdas renais. O organismo tenta eliminar a infecção por meio da filtração renal, porém devido ao excesso de secreção ocorre uma sobrecarga dos rins, levando a uma insuficiência renal e conseqüente morte do animal. Isto ocorre tanto nas piometras abertas como nas fechadas.

Como é diagnosticada?

O diagnóstico é feito através da história clínica, sinais clínicos, exame clínico e resultado de exames. O resultado do hemograma geralmente é compatível com infecção (aumento de células de defesa) podendo revelar anemia em casos crônicos. Nos exames bioquímicos de função renal e hepática podem indicar envolvimento destes órgãos, principalmente alteração renal causado principalmente pela liberação de toxinas pelas bactérias do útero. Radiografia e ultra-sonografia abdominais também são importantes na confirmação do diagnóstico.

Como é tratada?

O tratamento deve ser imediato e agressivo pois se trata de uma doença potencialmente fatal. Após estabilização do paciente com fluidos endovenosos e antibióticos, o tratamento pode ser efetuado e consiste na remoção cirúrgica do útero e dos ovários. Este procedimento chama-se ovário-histerectomia (esterilização) e é o tratamento de escolha, sendo o mais seguro e eficaz, pois remove imediatamente a fonte do problema.

Como prevenir?

As utilizações de métodos anticoncepcionais e abortivos contribuem ao desenvolvimento de piometra. A castração de animais jovens é o método mais seguro de prevenir piometra, cios e gestações indesejadas.

Referências Bibliográficas

LARA, V.M.; DONADELI, M.P.; CRUZ, F.S.F.; CARREGARO, A.B. Multirresistência antimicrobiana em cepas de Escherichia coli isoladas de cadelas com piometra. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.60, n.4, p.1032-1034, 2008.

POPPL, Á. G. Avaliação da influência do ciclo estral e da hiperplasia endometrial cística – Piometra sobre a sensibilidade à insulina e características da ligação hormônio-receptor em músculo de fêmeas caninas. 2008. 171f. Dissertação (Mestrado em Fisiologia) – Pós Graduação em Ciências Biológicas Porto Alegre.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

A casa

A República dos Animais nasceu em 1996, como uma pequena casa agropecuária dedicada a oferecer alimentos a animais de estimação no Bairro Durval de Barros.

Em 1999, buscando melhorar seu relacionamento com clientes, iniciou a prestação serviços como: estética animal, atendimento médico veterinário e hospedagem.

Logo em seguida, a idealizadora da empresa, visando melhorar ainda mais o relacionamento com clientes, ingressou no curso de medicina veterinária em 2003, período no qual as atividades da empresa foram interrompidas parcialmente.




Hoje, a República dos Animais, esta localizada no Bairro São Caetano desde 2009. Tem uma estrutura visual descontraída e alegre, que desperta em seus clientes o desejo e a segurança de levar seus animais a loja, e está a cada dia buscando melhorar seu desempenho.





Teve seu nome originado, a partir de um documento de identificação criado para os animais de estimação.



Na Republica dos Animais damos importância a medicina veterinária preventiva. Atos simples previnem muitas vezes a ocorrência de doenças trágicas.

A República dos Animais tem uma equipe jovem e dinâmica, oferece os cuidados médicos e cirúrgicos mais atualizados, trabalha em parceria com laboratórios veterinários e com profissionais especializados em oferecer diagnóstico por imagem. Temos orgulho da qualidade e variedade dos nossos serviços.






















Teve seu nome originado, a partir de um documento de identificação criado para os animais de estimação.