segunda-feira, 25 de novembro de 2013

E sempre era uma vez, que ainda será era, em breve.

Elias José, autor desse poema, passou um dever de casa que deveria ter sua história continuada.

Queria saber de uma vez só, mas João Victor, não poupou detalhes, quando chegou sua hora.

Nessa história tinha uma cachorrinha muito alegre e assanhadinha, que foi abandonada na pracinha.

Era uma vez um tal de um homem, que se achava belo, esperto, mas na verdade era um folgadão, que gostava de transferir seu problema para o cidadão.

Era uma vez um cachorrão, enjoado, latidor e brigão, que ficou assim por causa de sua condição, pouca comida, pouco carinho e muita pressão.

Era uma vez um palhaço, que só levava tombaço.

Era uma vez uma delicada menina, que semeava amores, carinhos em seus caminhos.

Era uma vez uma tal de Dona Inês, que tinha cão listrado e gato xadrez, que achava lindo a prenhes do seu gato xadrez.

Era uma vez a mesma história, onde o gatinho foi deixado a mercê da sua trajetória, pois sabiam que seria resgatado por quem detesta essa história.

Era uma vez uma feira de adoção, que promove a conscientização.

Era uma vez uma protetora, que teimava, que sofria e que cuidava de sua linda cachorrinha Sofia, e vivia triste por causa da sua limitação.

Era uma vez um belo cachorrinho, que foi adotado por seu lindo paizinho.

Era uma vez um lindo gatinho que passeava todo esbelto ao lado da menina com vestido amarelinho.

Moral da história: Gatos e cachorros, animais de todas as espécies não devem ser abandonados e nem maltratados. Adote-os.


quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Atitude e Comportamento do Amor. Sim, isso mesmo.

Voltei!
Há muito tempo que não escrevo. Passei por um ciclo de entusiasmo e total abandono por essa minha página. Mas prometo que vou retornar a postar com mais regularidade, mais frequência. Estou cheia de casos para compartilhar!

Hoje aconteceu mais uma Matilha ao Luar. O ano passado, por causa da campanha da fraternidade/2012, me dediquei ao dia do Bichinho no bairro Regina, junto com o Padre Carlos. Foi um ano de muito aprendizado. Mas já estava na hora de fazer alguma coisa aqui no São Caetano.

Animais para participar desses eventos nunca falta. Sabem quem são as peças principais?
Resposta: As pessoas.

Pessoas feitas de Amor. E bastava uma pessoa confirmar a presença para iniciarmos.

Formar um grupo de pessoas que queiram participar, não é tarefa fácil. Mas é força poderosa quando se tem atitude de organizar e sair para rua, de certa forma uniformizadas e com os seus cães a tira colo. Provocam curiosidade, muitos pré julgamentos e estimula no outro vontade de fazer a mesma coisa que nós.

As crianças ficam admiradas com a gente. Elas apontam o dedo, chegam perto, pedem para tocar nos cães. Ficam encantadas, felizes. E essa inquietude que provocamos nelas, é sem dúvida agente de mudança. Não precisamos falar sobre posse responsável. Elas simplesmente observam nosso comportamento. Amor gera amor. Respeito gera respeito.

O nosso comportamento não é tendência, e sim mudança. Mudança por um local mais evoluído, sem tantos animais abandonados na rua. Mudança de cultura. Respeito, só isso.

A nossa matilha de hoje foi ótima. E o melhor de tudo é que ela está crescendo devagarinho, mas com força. Obrigada a todos que participam ou participaram.


Ao animais, peça fundamental, merecem nosso respeito, admiração e principalmente nosso amor.